Diga-me o que curte e compartilha e lhe direi quem és...

Vivemos a era da comunicação. As formas de obter opiniões, dados, referências estão a um clique de qualquer pessoa. Hoje uma criança de oito anos possui mais informações do que um Imperador romano durante toda sua vida... Estamos diante de uma enxurrada de informações, mas não aprendemos a verificar veracidade ou fidedignidade das mesmas. A maioria das pessoas estão sempre dispostas a opinar, curtir, registrar, comentar, copiar. A todo tempo estamos a reproduzir o que assistimos, ouvimos e lemos. Infelizmente não aprendemos a pesquisar com a mesma eficiência e competência. Dessa forma, estamos a reproduzir muitas mentiras, opiniões duvidosas e até preconceitos. A Era da comunicação impõe um padrão de comportamento e costume que pode demonstrar o lado mais insensível do ser humano. O indivíduo ao registrar sua felicidade momentânea em sua selfie, também se torna alvo ao expor sua vaidade, orgulho e egoísmo. Muitos defendem a máxima cristã "...quando deres uma esmola ou ajuda, não deixes tua mão esquerda saber o que faz a direita (Matheus 6:3)" mas no momento de pensar na quantidade de visualizações, curtidas e comentários que se pode obter, o que vale é o circunstancial, efêmero e mais abjeto...

André Wagner Rodrigues é historiador e filósofo da Educação, autor no livro "Sofia, a menina que gosta de filosofar"